Pages

sábado, 7 de novembro de 2015

RESENHA: Condão - Giordano Mochel Netto

Não sei se terei palavras para descrever este livro.


TÍTULO: Condão
TÍTULO ORIGINAL: --
AUTOR(A): Giordano Mochel Netto
EDITORA: Novo Século
PÁGINAS: 396


SINOPSE:

Tecnologia robótica, petabytes, Direito Eletrônico. Esses termos fazem parte do cotidiano de Edwardo, um jovem que vive em uma sociedade ultratecnológica em que o controle da informação tornou-se o meio de referência para todos. Programador virtual, ele tem uma vida estabilizada, já que suas preocupações resumem-se ao trabalho, ao relacionamento amoroso com Sílvia, biogeneticista, e à amizade antiga e franca com Jânio, professor de História Moderna e especialista na teoria do Condão. No entanto, ao presenciar, involuntariamente, o assassinato de dois jovens por drones responsáveis pela segurança pública, sua vida passa a correr risco. Robôs-homicidas? Uma possibilidade que soa impossível para um software instruído a tarefas-padrão e funções extremamente mecânicas. Pelas regiões do Brasil, Edwardo arrasta Jânio e Sílvia em uma busca incessante para desvendar o crime. Só que, quando o trio descobre que essa investigação envolve vários fatos obscuros que influenciaram o atual nível de desenvolvimento dessa sociedade, uma nova realidade se revela de forma estarrecedora.


RESENHA:

Gente, tenho medo de minhas palavras não fazerem jus a esse livro. Ele perfurou minha mente como uma bala e me deu um soco no estômago.

O livro tem ação o tempo todo. No início, tem um teor mais explicativo, para nos introduzir naquele Brasil futurístico. Mas depois de uns sete capítulos, a ação não para uma página sequer.

A história conta sobre Edwardo, um jovem que vive em um Brasil futurístico e desmasiado avançado. Toda a segurança é feita por drones, e um dia, Edwardo vê drones assassinando dois jovens, o que é proibido pelo Condão.
Vou explicar melhor o que é o Condão. Antes desse Brasil tecnologicamente avançado existir, um garoto chamado Jeremias desenvolveu um software capaz de resolver qualquer caso criminal e que exigia um julgamento. E isso fez o Brasil enriquecer MUITO e se desenvolver rapidamente.
Continuando com a história... Edwardo então pede ajuda a seu amigo Jânio para tentarem descobrir o que está por trás daqueles assassinatos cometido pelos drones. Eles, junto com a namorada de Edwardo, Sílvia, embarcam pelo território brasileiro atrás de respostas e descobrem muito mais coisas do que esperavam.

Bom, lá para a metade do livro estava achando que iria ser aquelas distopias que falam a mesma coisa, mas descobri-me enganado. As reviravoltas foram acontecendo tão rapidamente que foi quase impossível não desgrudar do livro enquanto bão terminasse. Giordano criou mais do que uma simples distopia, criou um retrato fascinante de um Brasil opressor e avançado. Uma bela de uma ficção científica.
Os personagens criados pelo autor são bastante fortes, não desistem fácil, além se serem muito bem construídos. Sério, os personagens são a alma deste livro e o enredo, o corpo.
A linguagem de Condão é mais rebuscada, e as descrições do autor, maravilhosas. Você realmente se sente no lugar em que os personagens estão, ajudando a descobrir as verdades daquilo tudo.

Giordano Mochel, além de me fazer rever meus preconceitos com livros brasileiros, ganhou meu respeito ao criar esta obra.
Recomendo Condão a todos aqueles fãs de uma boa ficção científica! E também a todos os amantes de uma história bem escrita e bem trabalhada, e diferente destas distopias jovens que têm por aí. Condão está entre meus favoritos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário